Somos uma organização independente e temos a convicção de que a diversidade de opiniões, a participação da comunidade e a solidariedade, entre outras coisas, promovem a evolução da sociedade como um todo.

Nossa Missão

Nossa Missão: “Resgatar a auto estima e despertar a cidadania das crianças e adolescentes de Boracéia e região, por meio de iniciativas educacionais, culturais e esportivas, visando à criação de oportunidades futuras para o bem-estar de toda comunidade”.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Jornal´Eco 68

MINUTOS DE SABEDORIA

Tenha cuidado em não magoar ninguém com suas ações, nem com suas palavras.
Aprenda a dizer o  “ não “ de tal forma, que não melindre.
Não seja ríspido nem demonstre intolerância.
Compreenda o ponto de vista dos outros, que têm tanto direito, quanto você, de ter sua opinião própria.
Use, em todos os seus atos e palavras, de benevolência e gentileza.
Domine sua irritabilidade.
Plante sementes de bondade e de amor, mas não se preocupe com os resultados futuros.
Se não obteve o bem que você esperava, ou se o benefício não provocou a gratidão desejada, não se aborreça.
Ajude e passe adiante!
Lance as sementes ao solo, e deixe que cresçam e frutifiquem segundo as possibilidades do terreno
Aguarde o tempo...
Mas, por enquanto, plante as semente da bondade e do amor, por onde quer que você  passe.



                                                                                                              C.Torres Pastorinho

Jornal´Eco 68

CONHECENDO AS DROGAS

SOLVENTES  OU INALANTES.
( cola de sapateiro, esmalte, lança-perfume e acetona)
A palavra solvente significa substância capaz de dissolver coisas, e inalante é toda substância que  pode ser inalada, isto é, introduzida no organismo através da aspiração pelo nariz ou pela boca. Em geral, todo solvente é uma substância altamente volátil, ou seja, evapora-se muito facilmente, por esse motivo poder ser facilmente inalado. Outra característica dos solventes ou inalantes é que muitos deles( mas  não todos) são inflamáveis, quer dizer, pegam fogo facilmente. Um número enorme de produtos comerciais, como esmalte, colas, tintas, tineres, propelentes, gasolina, removedores, vernizes etc., contêm esses solventes. Eles podem ser aspirados tanto involuntária( por exemplo, trabalhadores de indústrias de sapatos ou de oficinas de pintura, o dia inteiro expostos ao ar contaminado por essas substâncias) quanto voluntariamente( por exemplo, a criança de rua que cheira cola de sapateiro, o menino que cheira em casa acetona ou esmalte, ou o estudante que cheira o corretivo Carbex, etc). todos esses solventes ou inalantes são substâncias pertencentes a um grupo químico chamado de hidrocarbonetos, como o Tolueno, xilol, n-hexano, acetato de etila, tricloroetileno, etc. Para exemplifica,eis a composição de algumas colas de sapateiro vendidas no Brasil: Cascola 0 mistura de tolueno+ h-hexano, Patex Extra – mistura de tolueno com acetato de etila e aguarrás mineral; Brascoplast – tolueno com acetato de etila e solvente para borracha. Em 1991 uma fábrica de cola do interior do Estado de São Paulo fez ampla campanha publicitária afirmando que finalmente havia fabricado um cola de sapateiro que não era tóxica e não produzia vicio, porque não  continha tolueno. Essa indústria teve um comportamento reprovável, além de criminoso, já que o produto anunciado ainda continha o solvente h-hexano, sabidamente bastante tóxico. Um produto muito conhecido no Brasil é o cheirinho ou Loló, também conhecido como cheirinho da loló. Trata-se de um preparado clandestino ( isto é, fabricado não por um estabelecimento legal, mas, sim, por pessoas do submundo) á base de clorofórmio mais éter, utilizado somente para fins de abuso, mas já se sabe que, quando esses fabricantes não encontram uma daquelas duas substâncias eles misturam qualquer outra coisa em substituição. Assim, em relação ao cheirinho da loló não se conhece bem sua composição, o que complica quando se tem casos de intoxicação aguda por essa mistura. Ainda, é importante chamar a atenção para o lança-perfume. Esse nome designa inicialmente aquele líquido que vem em tubos e que se usa no carnaval. A base de cloreto de etila eou cloretila, é proibida sua fabricação no Brasil e só aparece nas ocasiões de carnaval, contrabandeada de outros países sul- americanos. Mas cada vez mais o nome lança-perfume é também utilizado para designar o cheirinho da loló.
EFEITOS NO CÉREBRO – O início dos efeitos, após a aspiração, é bastante rápido, de segundos a minutos no máximo – e em l5 a 40 minutos já desaparecem; assim, o usuário repete as aspirações várias vezes para que as sensações durem mais tempo. Os efeitos dos solvente vão desde uma estimulação inicial ate depressão, podendo também surgir processos alucinatórios. Vários autores dizem que os efeitos dos solvente ( quaisquer que sejam) lembram os do álcool, entretanto este não produz alucinações, fato bem descrito para os solventes. Entre os efeitos, predominantes é a depressão, principalmente a do funcionamento cerebral, De acordo com o aparecimento desses efeitos, após inalação de solvente foram divididos em quatro fases.

1ª FASE-  a chamada fase de excitação, que á a desejada, pois a pessoa fica eufórica, aparentemente excitada, sentindo tonturas e tendo perturbações auditivas e visuais, mas podem também aparecer náuseas, espirro, tosse, muita salivação e as faces podem ficar avermelhadas

Jornal´Eco 67

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES
O que é violência contra a mulher?

Convenção de Belém do Pará (Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher, adotada pela OEA em 1994) estabelece que a violência contra a mulher é “qualquer ato ou conduta baseada no gênero, que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto na esfera pública como na esfera privada”.
“A violência contra as mulheres é uma manifestação de relações de poder historicamente desiguais entre homens e mulheres que conduziram à dominação e à discriminação contra as mulheres pelos homens e impedem o pleno avanço das mulheres...” (Declaração sobre a Eliminação da Violência contra as Mulheres, Resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas, dezembro de 1993).
A Conferência das Nações Unidas sobre Direitos Humanos (Viena, 1993) reconheceu formalmente a violência contra as mulheres como uma violação aos direitos humanos. Desde então, os governos dos países-membros da ONU e as organizações da sociedade civil têm trabalhado para a eliminação desse tipo de violência, que já é reconhecido também como um grave problema de saúde públic

Como Denunciar


As mulheres que sofrem violência podem procurar qualquer delegacia, mas é preferível que elas se dirijam às Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAM), também chamadas de Delegacias da Mulher (DDM). Há também os serviços que funcionam em hospitais e universidades e que oferecem atendimento médico, assistência psicossocial e orientaçãojurídica.

A mulher que sofreu violência pode ainda procurar ajuda nas Defensorias Públicas e Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, nos Conselhos Estaduais dos Direitos das Mulheres e nos centros de referência de atendimento à mulheres.

Se for registrar a ocorrência na delegacia, é importante contar tudo em detalhes e levar testemunhas, se houver, ou indicar o nome e endereço delas. Se a mulher achar que a sua vida ou a de seus familiares (filhos, pais etc.) está em risco, ela pode também procurar ajuda em serviços que mantêm casas-abrigo, que são moradias em local secreto onde a mulher e os filhos podem ficar afastados do agressor.

Dependendo do tipo de crime, a mulher pode precisar ou não de um advogado para entrar com uma ação judicial. Se ela não tiver dinheiro, o Estado pode nomear um advogado ou advogada para defendê-la ou a Defensoria Pública.


Jornal´Eco 67

SEBASTIANA QUEBRA GALHOS

ANIMAIS DOMÉSTICOS:
Cachorros
Se o cãozinho chorar muito à noite, e incomadar os vizinhos, coloque perto de sua caminha um despertador; o tic-tac do relógio vai acalmá-lo num instante. Se o problema são as pulgas, lave o cão com água salgada e espalhe um pouco de sal nos cantos onde ele dorme. Um ramo de “ erva de santa Maria “, colocada na casinha dos cachorros, impede o aparecimento de pulgas ou se for mais fácil alguns raminhos de hortelã.

Gatos
Para quem não gosta de ver os bichamos trepando em cadeiras ou sofás, espalhe algumas bolinhas de naftalina, entre as almofadas, eles nem chegarão perto

Passáros

Se tiver pássaro em casa, tome cuidado ao usar na limpeza, produtos à base de amoníaco. O odor dessas substâncias poderá prejudicar a saúde deles.

Peixes

Aquários – limpam-se os aquários esfregando-se com água e vinagre misturados. Depois enxaguar em várias águas, para não prejudicar os peixinhos

Jornal´Eco 67

CONHECENDO AS DROGAS
COGUMELOS E PLANTAS ALUCINÓGENAS
DEFINIÇÃO E HISTÓRICO: A  palavra alucinação significa, em linguagem médica, percepção sem objeto; isto  é, a pessoa em processo de alucinação percebe coisas sem que elas existam. Assim, quando uma pessoa ouve sons imaginários ou vê objetos que não existe,, ela está tendo uma alucinação auditiva ou uma alucinação visual. As alucinações podem aparecer espontaneamente no ser humano em casos de psicoses, e entre estas a mais comum é a doença mental chamada esquizofrenia. Também podem ocorrer em pessoas normais ( que não apresentam doença mental) que tomam determinadas substâncias  ou drogas alucinógenas, isto é, drogas que geram alucinações. Essas drogas são também chamadas de psicotimomiméticas por imitar ou mimetizar um dos mais evidentes sintomas das psicoses – as alucinações. Alguns autores também as chamam de psicodélicas. A palavra psicodélica vem do grego ( psico=mente e delos = expansão)  e é utilizada quando a pessoa apresenta alucinações e delírios em certas doenças mentais ou por ação de drogas. É óbvio que essas alterações não significam expansão da mente. A alucinação e o delírio nada têm de aumento da atividade ou da capacidade mental;  ao contrário são aberrações, perturbações do perfeito funcionamento  do cérebro, tanto que são características das chamadas psicoses. Um grande número de drogas alucinógenas vem da natureza, principalmente de plantas. Estas foram descobertas por seres ancestrais  que, ao sentir seus efeitos mentais, passaram a considerá-las plantas divinas, isto é, que faziam com que quem as ingerisse recebesse mensagens divinas, dos deuses. Assim até hoje em culturas indígenas de vários países o uso dessas plantas alucinógenas tem esse significado religioso. Com o progresso da ciência, várias substâncias foram sintetizadas em laboratório e, dessa maneira, além dos alucinógenos naturais, hoje em, dia tem importância também os alucinógenos sintéticos, dos quais o LSD – 25 é o mais representativo. Há ainda a considerar que alguns desses alucinógenos agem em doses muito pequenas e praticamente só atingem o cérebro e, portanto, quase não alteram nenhuma outra função do corpo: são os alucinógenos propriamente ditos, ou alucinógenos primários . THC ( tetraidrocanabioal) da maconha, por exemplo, é um alucinógeno primário. Mas existem outras drogas que também são capazes de atuar no cérebro, produzindo efeitos mentais, mas somente em doses que afetam de maneira importante várias outras funções: são os alucinógenos secundários. Entre este últimos, podemos citar uma planta, a Datura, conhecida no Brasil sob vários nomes populares e sob o nome comercial Artene ( sintético)
Cogumelos:
O uso de cogumelos ficou famoso no México, onde desde antes de Cristo já eram utilizados pelos nativos daquela região. Ainda hoje, sabe-se que o cogumelo sagrado é usado por alguns pajés. Essa planta recebe o nome cientifico de Psilocybe mexicana e dela pode ser extraída uma substância de poder alucinógeno: a psilocibina. No Brasil são encontrados pelos menos duas espécies de cogumelos alucinógenos, uma delas e o Psilocybe cubensis e a outra, espécie do gênero Paneoulus.
Jurema:
O vinho de jurema, preparado á base da planta brasileira Mimosa hostilis e chamado popularmente de jurema é usado pelos remanescentes índios e caboclos do Brasil. Os efeitos desse vinho são muito bem  descritos por José de Alencar no romance Iracema. Além de conhecido pelo interior do Brasil, só é utilizado nas cidades em rituais de candomblé, por ocasião da passagem de ano, por exemplo. A jurema sintetiza uma potente substância alucinógena a Dimetiltriptamina ou  DMT, responsável pelos efeitos.
Efeitos no cérebro – Já foi acentuado que os cogumelos e as plantas analisados anteriormente são alucinógenas, isto é, induzem a alucinações e delírios. É interessante ressaltar que esses efeitos são muito maleáveis, ou  seja, dependem de várias condições como sensibilidade e personalidade do indivíduo expectativa que a pessoa tem sobre os efeitos, ambiente, presença de outras pessoas, etc., como a bebida do Santo Daime. As reações psíquicas são ricas e variáveis. Às vezes são agradáveis ( boa viagem) e a pessoa se sente recompensada pelos sons incomuns, cores brilhantes e pelas alucinações. Em outras ocasiões, os fenômenos mentais são de natureza desagradável, visões terrificantes, sensações de deformação do próprio corpo, certeza de morte iminente etc, São as más viagens. Tanto as boas como as más viagens podem ser conduzidas pelo ambiente, pelas preocupações anteriores ( o usuário freqüente sabe quando não está de cabeça boa para tomar o alucinógeno ) ou por outra pessoa. Esse é o papel do “ guia” ou “ sacerdote” nos vários rituais religiosos folclóricos, que no ambiente do templo, os cânticos etc., são capazes de conduzir os efeitos mentais para o fim desejado.
Efeitos sobre outras partes do corpo.
Os sintomas físicos são pouco saliente. Pois são alucinógenos primários. Podem ocorrer dilatação das pupilas, sudorese excessiva, taquicardia, náuseas e vômitos, testes últimos mais comuns com a bebida do Santo Daime
Aspectos gerais.

Como ocorre com quase todas as substâncias alucinógenas, praticamente não há desenvolvimento de tolerância; também comumente não induzem dependência e não ocorre síndrome de abstinência com o cessar do uso. Um dos problemas preocupante em relação ao consumo desses alucinógenos é a possibilidade, felizmente rara, de a pessoa desenvolver delírios persecutórios, de grandeza ou acessos da pânico e, em virtude disso, tomar atitudes prejudiciais a si e aos outros. WWW.debrid.epm.br       cebrid.unifesp@gmail.com  

Jornal ´Eco 66

TÔ DE OLHO !
SENADO LANÇA “ ORÇAMENTO FÁCIL “
Os cidadão ganharam mais uma ferramenta para conhecer e participar das decisões no Congresso.
O “ orçamento fácil “ é um projeto que tem como objetivo explicar aos cidadãos, por um meio de fácil compreensão o que é o orçamento público. A página do orçamento fácil, dentro do portal do senado, reúne animações e jogos que informam didaticamente sobre o orçamento, o funcionamento do processo orçamentários e a contribuição do cidadão para fiscalizar o que é feito com o dinheiro do contribuinte. O orçamento fácil, desenvolvido pela agência senado, jornal do senado e consultoria de orçamento, com apoio da rádio senado e da Tv senado, está integrado ao portal e cidadania, criado para estimular a participação dos cidadãos nos processo de elaboração de leis e fiscalização da atuação parlamentar e do gasto publico
Os acessos são obtidos no  Google e pelo you tube, como  “ ORÇAMENTO FÁCIL

OUTRAS FORMAS DE EXERCER O CONTROLE SOCIAL

Mesmo sem participar dos conselhos, cada cidadão ou grupo de cidadãos , isoladamente ou em conjunto com entidades ou organizações  da sociedade civil, podem ser fiscal das contas públicas. Cada um desses atores sociais podem, por exemplo, verificar se o município, o distrito federal, o estado e a União realizaram, na prática, as obras das escolas conforme previsto ou se os valores das notas fiscais e valores das compras e obras realizadas são compatíveis com os preços de mercado. No caso dos municípios, por exemplo, a Constituição Federal assegura, no § 3º do artigo 31, que suas contas ficarão à disposição de qualquer contribuinte para exame e apreciação durante 60 dias, anualmente, sendo possível o questionamento da legitimidade das contas nos termos da lei. O cidadão também tem o direito de ter acesso aos processos de compras e ao conteúdo dos contratos celebrados pela administração pública, podendo acompanhar, por exemplo, a sessão pública de julgamento de propostas em uma licitação. O cidadão no exercício do controle social, deve estar atento ao cumprimento dos objetivos das políticas públicas, denunciando possíveis irregularidades encontradas aos diversos órgãos que possuem competência para atuar. Conforme o caso, podem ser contatados órgãos como a controladoria geral da união ( cgu), o ministério público estadual, o ministério público federal, os tribunais de conta do município, do estado e da união, as câmaras de vereadores e assembléias legislativas e os conselhos responsáveis pelo acompanhamento da respectiva política.

Jornal ´Eco 66

MINUTOS DE SABEDORIA
Não perca sua calma!
Não se deixe dominar pela cólera.
Que jamais o sol se deite sobre sua raiva
Contenha-se o mais que puder
Um simples raio de cólera pode destruir longas e pacientes sementeira de amor e carinho
Procure dominar-se.
Quem sabe se pessoa que o ofendeu não está doente?
Não perca sua calma...

Seu fígado é demais precioso para que você o estrague


PENSAMENTOS
FERNADO PESSOA

“As vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido.”

“Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.”
Fernando Pessoa

“Sentir é criar. Sentir é pensar sem ideias, e por isso sentir é compreender, visto que o universo não tem ideias.”

“A maioria pensa com a sensibilidade, eu sinto com o pensamento. Para o homem vulgar, sentir é viver e pensar é saber viver. Para mim, pensar é viver e sentir não é mais que o alimento de pensar.”

VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES

“Qualquer ato ou conduta que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto na esfera pública quanto na privada, é considerado violência.” Esta é a definição prevista na Convenção Interamericana (também conhecida como “Convenção de Belém do Pará”), de 1994, para Prevenir e Erradicar a Violência contra a Mulher.

Pioneira na luta pela proteção à mulher, a convenção tem como uma de suas principais consequências a Lei Maria da Penha, responsável pelacriminalização da violência contra a mulher desde 2006, já que prevê punição para os agressores.
Números do Anuário das Mulheres Brasileiras 2011, divulgado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres e pelo Dieese, mostram que quatro entre cada dez mulheres brasileiras já foram vítimas de violência doméstica.
Dados da Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180) revelam aumento da formalização das denúncias. Os atendimentos da central subiram de 43.423 em 2006 para 734.000 em 2010, quase dezesseis vezes mais.
A cidadã brasileira conta também com o Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, desenvolvido pela Secretaria de Políticas para as Mulheres, da Presidência da República. Lançado em 2005, o plano traduz em ações o compromisso do Estado de enfrentar a violência contra a mulher e as desigualdades entre gêneros.
Uma dessas ações práticas é o Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra a Mulher, criado três anos depois. A iniciativa conta com investimentos de R$ 1 bilhão em projetos de educação, trabalho, saúde, segurança pública e assistência social destinados a mulheres em situação de vulnerabilidade social.
Entre esses projetos do pacto estão:
•    Construir, reformar ou equipar 764 serviços da Rede de Atendimento à Mulher;
•    Capacitar cerca de 200 mil profissionais nas áreas de educação, assistência social, segurança, saúde e justiça;
•    Capacitar três mil Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e Centros Especializados de Assistência Social (CREAS) para atendimento adequado às mulheres em situação de violência;
•    Ampliar o atendimento da Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180), dentre outras ações.

Jornal ´Eco 66

CONHECENDO AS DROGAS
BEBIDAS ALCOÓLICAS – álcool etílico ( etanol) , fermentados ( vinho, cerveja) , destilados( pinga, uísque, vodca)
ASPECTOS HISTÓRICOS: Registros arqueológicos revelam que os primeiros indícios sobre o consumo  de álcool pelo ser humano datam de aproximadamente 6000 a.C, sendo, portanto, um costume extremamente antigo e que tem persistindo por milhares de anos. A noção de álcool como uma substância divina, por exemplo, pode ser encontrada em inúmeros exemplos na mitologia, sendo talvez um dos fatores responsáveis pela manutenção do hábito de beber, ao longo do tempo. Inicialmente, as bebidas tinham conteúdo alcoólico relativamente baixo, como, por exemplo, o vinho e a cerveja, já que dependiam exclusivamente do processo de fermentação. Com o advento do processo de destilação, introduzido na Europa pelos árabes na idade média, surgiram novos tipos de bebidas alcoólicas, que passaram a ser utilizadas em sua forma destilada. Nessa época, esse tipo de bebida passou a ser considerado um remédio para todas as doenças, pois, dissipavam as preocupações mais rapidamente que o vinho e a cereja, além de produzirem um alívio mais eficiente da dor, surgindo, então a palavra uísque ( do gálico usquebaugh, que significa “ água da vida”).  A partir da revolução industrial, registrou-se aumento na oferta desse tipo de bebida, contribuindo para um maior consumo e, conseqüentemente, gerando aumento no número de pessoas que passaram a apresentar algum tipo de problema decorrente do uso excessivo de álcool.
ASPECTOS GERAIS:
Apesar do desconhecimento por parte da maioria das pessoas, o álcool também é o considerado uma droga psicotrópica, pois atua no sistema nervoso central, provocando mudança no comportamento de quem o consome, além de ter potencial para desenvolver dependência. O álcool é uma das poucas drogas psicotrópicas que tem seu consumo admitido e até incentivado pela sociedade. Esse é um dos motivos pelos quais ele é encardo de forma diferenciada, quando comparado com as demais drogas. Apesar de sua ampla aceitação social, o consumo de bebidas alcoólicas,  quando excessivo, passa a ser um problema. Além dos inúmeros acidentes de trânsito e da violência associada a episódios de embriaguez, o consumo de álcool a longo prazo, dependendo da dose, freqüência e circunstâncias, pode provocar um quadro de dependência conhecido como alcoolismo. Dessa forma, o consumo inadequado do álcool é um importante problema de saúde pública, especialmente nas sociedades ocidentais, acarretando altos custos para a sociedade e envolvendo questões médicas, psicológicas, profissionais e familiares.
EFEITOS AGUDOS:
A ingestão de álcool provoca diversos efeitos, que aparecem em duas fases distintas: uma estimulante e outra depressora. Nos primeiros momentos após a ingestão de álcool, podem aparecer os efeitos estimulantes, como euforia, desinibição e loquacidade ( maior facilidade para falar). Com o passar do tempo começas a surgir os efeitos depressores, como falta de coordenação motora, descontrole e sono. Quando o consumo é muito exagerado, o efeito depressor fica exacerbado,  podendo até mesmo provocar o estado de coma. Os efeitos do álcool variam de intensidade de acordo com as características pessoas. Por exemplo, uma pessoa acostumada a consumir bebidas alcoólicas sentirá os efeitos do álcool com menor intensidade, quando comparada com outra que não está acostumada a beber. Um outro exemplo está relacionado à estrutura física: a pessoa com estrutura física de grande porte terá maior resistência aos efeitos do álcool.
ÁLCOOL E TRÂNSITO
A ingestão de álcool, mesmo em pequenas quantidades, diminui a coordenação motora e os reflexos, comprometendo a capacidade de dirigir veículos ou operar outras máquinas. Pesquisas revelam que grande parte dos acidentes é provada por motorista que haviam bebido antes de dirigir. Nesse sentido, o código nacional de trânsito de 1997 foi alterado pela lei 11.705 de junho de 2008, conhecida como “ lei seca”. Pela nova legislação, é proibido dirigir sob a influência do álcool ( nenhuma concentração de álcool por litro de sangue é permitida), ou de qualquer substância psicoativa que determine dependência. A lei prevê penas para os motoristas infratores de suspensão temporária da carteira de habilitação, apreensão do veículo e prisão.
ALCOOLISMO
Como já citado neste texto, a pessoa que consome bebidas alcoólicas de forma excessiva, ao longo do tempo pode desenvolver dependência, condição conhecida como alcoolismo. Os fatores que podem levar ao alcoolismo são variados, envolvendo aspectos de origem biológica, psicológica e sociocultural. A dependência do álcool é condição freqüente, atingindo cerca de 10% da população adulta brasileira. A transição do beber moderado ao beber problemático ocorre de forma lenta, tendo uma interface que, em geral, leva vários anos. Alguns sinais da dependência do álcool são: desenvolvimento da tolerância, ou seja, a necessidade de beber maiores quantidades de álcool para obter os mesmos efeitos; aumento da importância do álcool na vida da pessoa; percepção do “ grande desejo” de beber e da falta de controle em relação a quando parar; síndrome de abstinência ( aparecimento de sintomas desagradáveis após ter ficado algumas horas sem beber) e aumento da ingestão de álcool para aliviar essa síndrome. A síndrome de abstinência do álcool é um quadro que aparece pela redução ou parada brusca da ingestão de bebidas alcoólicas, após um período de consumo crônico. A síndrome tem início 6 a 8 horas após a parada da ingestão de álcool, sendo caracterizada por tremor das mãos, acompanhado de distúrbios gastrintestinais, distúrbios do sono e estado de inquietação geral 9 abstinência leve). Cerca de 5% dos que entram em abstinência leve evoluem para a síndrome de abstinência grave ou delirium tremens que, além da acentuação dos sinais e sintomas anteriormente referidos, se caracteriza por tremores generalizados, agitação intensa e desorientação no tempo e no espaço
EFEITOS SOBRE OUTRAS PARTES DO  CORPO
Os indivíduos dependentes do álcool podem desenvolver várias doenças. As mais freqüentes são as relacionadas ao fígado ( esteatose hepática, hepatite alcoólica e cirrose). Também são freqüentes problemas do aparelho digestivo( gastrite, síndrome de má absorção e pancreatite) e do sistema cardiovascular ( hipertensão e problemas cardíacos). Há ainda, casos de polineurite alcoólica, caracterizada por dor, formigamento e cãibras nos membros inferiores
DURANTE A GRAVIDEZ

O consumo de bebidas alcoólicas durante a gestação pode trazer conseqüências para o recém nascido, e, quanto maior o consumo, maior o risco de prejudicar o feto. Dessa forma, é recomendável que toda gestante evite o consumo de bebidas alcoólicas, não só ao longo da gestação, como também durante todo o período de amamentação, pois o álcool pode passar para o bebê através do leite materno. Cerca de um terço dos bebês de mães dependentes do álcool, que fizeram uso excessivo dessa droga durante a gravidez, é afetado pela “ síndrome fetal pelo álcool “. Os recém nascidos apresentam sinais de irritação, mamam e dormem pouco, além de apresentarem tremores ( sintomas que lembram a síndrome da abstinência) as crianças gravemente afetadas, e que conseguem sobreviver aos primeiro momentos de vida, podem apresentar problemas físicos e mentais que variam de intensidade de acordo com a gravidade do caso.


DICAS DE VIDA SAÚDAVEL
1- Respirar mais profundamente: A verdade é que o sangue precisa de oxigênio. Respiração profunda amplia a clareza da mente e dá mais saúde física. Faça isto, calmamente, durante alguns minutos por dia. Diante de ar livre e puro, na medida do possível.

2- Dar folga para o estômago: Seu estômago é um dos seus amigos mais importantes. Não se empanturre. Dê descanso ao estômago. Coma para alimentar-se. Não se intoxique.

3- Abrir espaço para a qualidade de vida na rotina diária: Não deixe para depois de amanhã a melhora que pode produzir e estabelece hoje. A qualidade de vida é uma planta que a gente tem que regar todo o dia.

4- Fazer periodicamente uma auto-avaliação: Verificar regularmente, item por item, o grau de coerência que você já atingiu na vivência do seu ideal ecológico, identificando de que modo pode continuar auto-aperfeiçoando-se e avançar cada vez mais.

5- Restringir o consumo de remédios: Tome remédios só quando for de fato necessário. Prefira terapias complementares, como homeopatia, acupuntura, do-in, naturismo. Os laboratórios químicos induzem ao consumo de remédios não só desnecessários, mas prejudiciais.

6- Comer menos carne: Afaste-se, gradualmente, do processo de massacre diário dos animais para o mercado de carne. Há outros motivos. A carne vem com hormônios, conservantes e toxinas que a tornam alimento pouco saudável. Por seu lado, a carne de peixe pode acumular, com a poluição, metais pesados despejados nos rios. Diminua a carne, e se quiser proteínas animais prefira leite, queijo, ovos. Pense em uma alimentação mais vegetariana.

Jornal ´Eco 65





Jornal ´Eco 64





Jornal ´ Eco 63





E O PLANO DIRETOR ?
POR QUE O PLANO DIRETOR DEVE SE ORIENTAR A PARTIR DE UM PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DO MUNICÍPIO?

É dever do município efetivar os meios necessários para o seu desenvolvimento, principalmente no aspecto econômico.
A busca por novas alternativas e oportunidades que gerem emprego e renda, que fortaleçam as atividades econômicas locais e, ainda, melhorem a arrecadação dos tributos municipais são condições indispensáveis para colocar o município em um ciclo virtuoso de crescimento. O município precisa criar a ambiência para que os potenciais econômicos se consolidem e possam, desta maneira, garantir melhores condições de renda para a população local. Melhorar a distribuição de renda significa colocar um número maior de pessoas no mercado consumidor.  Com isso, a economia se torna mais dinâmica e fortalece a arrecadação de tributos, criando condições para que os serviços públicos, como educação, saúde, assistência Social etc, sejam prestados com mais qualidade.
Como vimos o plano diretor é o instrumento básico da política de desenvolvimento do município. Mas ele não é o único. O plano diretor faz parte de um conjunto de instrumentos que devem ser utilizados na promoção do desenvolvimento municipal. Assim não é correto acreditar que o plano diretor irá resolver todos os problemas do município. A função do plano é estabelecer as diretrizes e estratégias relacionadas a diversos temas da realidade local. A efetivação dessas medidas, no entanto, depende da especificação, nos outros instrumentos, do conteúdo do plano diretor. Podemos exemplificar esta situação de uma maneira simples: de nada adiantará o plano diretor estabelecer4 uma política urbana que esteja voltada a universalização do saneamento básico se a lei orçamentária do município não contiver as rubrica que permitam a realização da despesa para a construção da rede de esgoto. Do mesmo modo, não conseguiremos colocar o município no rumo do desenvolvimento econômico se não existirem, além do plano diretor, outros planos, projetos e leis que consolidem e viabilizem a concretização das diretrizes nele propostas. Articular e envolver os diversos agentes públicos e privados que atuam no município, comprometendo-os com o desenvolvimento local é condição fundamental para o êxito do  plano diretor.



 Ações de Prevenção de Hepatite, HIV, HPV realizado na Praia de Boracéia, parceria com a Prefeitura e Missão Resgate

 








Jornal ´Eco 62





terça-feira, 25 de setembro de 2012


11/09/2012 - TJSP lança a campanha Doar é legal – a vida é recarregável
        “A doação de órgãos é sublime doação de AMOR. Gesto abençoado que devolve ao próximo o milagre da vida” (Paulo Bomfim)  

        O Salão dos Passos Perdidos do Tribunal de Justiça de São Paulo foi palco hoje (10) do lançamento da campanha Doar é legal – a vida  é recarregável que busca conscientizar a sociedade sobre a importância de doar órgãos, bem como sensibilizar e orientar a população a respeito da possibilidade de contribuir com a continuidade da vida de outra pessoa. O desenvolvimento do Doar é legal – a vida  é recarregável só foi possível graças a várias parcerias. Agora, a continuidade da campanha depende além dessas parcerias, do ato mais importante que pode vir de cada um de nós: a ação de doar. "Agradeço aos nossos queridos parceiros: Amaury Jr., RedeTV, Rede Globo, Creci, Rotary club (distrito 4420), Guadalupe Filmes, ABTO, Leo Burnett e atores Gabriela Duarte, Cássio Gabus Mendes, Ana Lucia Torres e Domingos Montagner, cantor Luan Santana e a querida Regina Moraes, que abdicaram de seu tempo para se dedicar a essa causa", disse Claudia Conde Sartori – idealizadora e presidente do Comitê Social e Cidadania do Tribunal de Justiça (CASC).   
        A iniciativa é o primeiro projeto do CACS, criado em abril, para suprir a necessidade de integração do Judiciário com a sociedade, atuando na promoção e defesa dos direitos humanos, considerando que o Tribunal de Justiça não pode estar alheio às necessidades da sociedade, devendo conciliar o serviço judiciário e as ações sociais. Além disso, considerou-se também os princípios que norteiam a transparência, a responsabilidade social, a cidadania, a inclusão social e a valorização da vida e a necessidade de práticas sociais inovadoras, com ações direcionadas para a população.
        Falar da morte assusta. Viver é algo fantástico e a maioria das pessoas quer ter vida eterna. Mas, infelizmente, isso não é possível. Entretanto, há pedacinhos nossos que podem dar a outra pessoa o prazer de enxergar as flores e apreciar o pôr-do-sol; de tomar um copo de água quando se tem sede; de se alimentar quando se tem fome; de olhar para sua pele e tê-la reconstruída. Enfim, você pode ter vida mesmo após a morte.  Não terá a vida eterna, mas ela continuará em outras pessoas. O milagre da vida existe!
        Você já parou para pensar que a vida é recarregável? Já percebeu que o nosso corpo é fornecedor de vida mesmo após a morte? Não é loucura, isso é realidade! Uma realidade esquecida, pois não nos passa pela nossa cabeça que um dia possamos estar em uma fila de transplante de órgãos, ou seja, depender de um doador.
        A primeira pessoa a apoiar a iniciativa do TJSP foi o presidente da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), o médico José Osmar Medina Pestana – considerado o maior especialista em transplante de órgãos do mundo que falou sobre O problema do transplante no Brasil e a doação de órgãos. Ele afirmou que a família tem que ser avisada sobre a vontade de ser um doador. O próprio médico Medina já deixou claro à sua família que deseja continuar a contribuir com a sociedade, doando seus órgãos. Muitos órgãos são perdidos quando a família ou amigos não sabem do desejo da pessoa, de doar seus órgãos e salvar vidas.
        Medina declarou sentir orgulho do fato de que no Brasil o assunto é tratado com seriedade; não há nenhum tipo de irregularidade. Há organização e coordenação do sistema e o comprometimento da sociedade brasileira e de um grande grupo de profissionais com excelente formação. Ele afirmou que a Secretaria Estadual de Saúde acompanha os casos – um a um – e, além disso, há supervisão do Ministério Público. Outro fato é que a legislação brasileira prevê pena de reclusão ao profissional que participa de qualquer ato irregular.
        No lançamento da campanha, o secretário de Estado da Saúde, Giovanni Guido Cerri, apresentou breve estatística com os números de transplantes realizados no Estado de São Paulo e salientou a importância da participação da sociedade civil em ações que mobilizem a população.
        Para o governador Geraldo Alckmin "essa atitude do TJSP vai aproximar mais ainda o Poder Judiciário da população". Ele falou sobre a importância da campanha Doar é Legal – A Vida é Recarregável. “Até quando a gente morre pode ajudar a viver.”
        O presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, Barros Munhoz, confessou que considera o Doar é Legal um dos mais importantes eventos de justiça participativa por conta do caráter humano e que há no Poder Judiciário sensibilidade, paternidade e solidariedade que às vezes são esquecidos.
        Segundo o presidente do TJSP, desembargador Ivan Sartori, "a campanha, além de abranger a população, beneficia os servidores e humaniza o Poder Judiciário".
        Participaram da solenidade o vice-presidente do TJSP José Gaspar Gonzaga Franceschini; o presidente da Seção de Direito Público, Samuel Alves de Melo Júnior; o presidente da Associação Paulista de Magistrados, Roque Antonio Mesquita de Oliveira; a coordenadora da área de Saúde da Escola Paulista da Magistratura (EPM), Vera Lúcia Angrisani, representando o diretor; a secretária de Estado da Justiça e da Defesa da Cidadania, Eloisa de Sousa Arruda; o chefe da Assessoria Polícia Militar do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, coronel PM Renato Cerqueira Campos, representando o comandante-geral; o poeta Paulo Bomfim; o coordenador da Central de Transplantes, Agenor Spallini Ferraz; o presidente do Rotary Clube de Praia Grande e governador do Distrito 4420 do Rotary Club Internacional, Marcos Luiz Zanardo; o diretor administrativo da Judcred, Cooperativa de Crédito dos Funcionários do Poder Judiciário de São Paulo, Paulo Carvalho Catelan; o deputado estadual Estevam Galvão de Oliveira; o diretor jurídico das Organizações Globo, Carlos Araújo; e o coordenador do Centro de Treinamento e Apoio aos Servidores do Tribunal de Justiça – Cetra, Luiz Antonio Rodrigues da Silva.
       
        Participe da campanha e expresse seu desejo. Acesse:
http://doarelegal.tjrs.jus.br/ preencha seus dados e ao final emita a certidão. O documento será prova de sua vontade, devendo ser guardado e mostrado a familiares e amigos, pois eles serão os porta-vozes do seu desejo de ser doador. A certidão não tem validade jurídica, mas pode salvar vidas!
                
        Comunicação Social TJSP – LV (texto) / AC e GD (fotos)
        imprensatj@tjsp.jus.br

DE OLHO NO DINHEIRO PÚBLICO.


Conheça algumas instituições parceiras da sociedade civil, as quais têm o dever de receber e processar as denúncias, formuladas por qualquer cidadão ou associação.

1.     CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO (CGU)
A CGU recebe denúncias relativas à defesa do patrimônio público, ao controle sobre a aplicação dos recursos públicos federais.
A denúncia pode ser apresentada das seguintes maneiras:

  •    Por meio do preenchimento e envio do formulário eletrônico de denúncia disponível no site da CGU  WWW.cgu.gov.br/denuncias
  •       Por correspondência enviada para o seguinte endereço: Controladoria Geral da União, SAS Qd 1, Bloco A Edifício Darcy Ribeiro – Brasília (DF) CEP 70070-905 ou para uma das suas unidades regionais

2.     TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU)
Ao TCU cabe a fiscalização dos atos que envolvam a utilização de recursos públicos federais. Para irregularidades que envolvam a utilização de recursos públicos estaduais ou municipais, deve-se oferecer denúncia ao Tribunal de Contas do Estado ou ao Tribunal de Contas do Município, quando existir.
As denúncias que cabem ao TCU podem ser encaminhadas das seguintes maneiras

  •       Denúncia formal – mediante entrega da documentação junto aio protocolo do TCU, no Edifício Sede ou nas Secretarias Regionais
  •     Reclamação via ouvidoria – mediante preenchimento de formulário eletrônico, disponível no site do TCU  WWW.tcu.gov.br, link “ouvidoria“
  •       Central de atendimento (0800-6441500)
  •      Correspondências (SAFS, Q 04 lote 1, Ed. Sede, 2º andar, sala 221, CEP 70042-900)

3.     TRIBUNAIS DE CONTAS DOS ESTADOS (TCE)
Existem em todos os estados, fazem fiscalizações e auditorias, por iniciativa própria ou por proposta do ministério Público, alem de examinar e julgar a regularidade das contas dos gestores públicos estaduais e municipais (nos estados onde não existem tribunais de contas de municípios) Esses gestores podem ser governadores, prefeitos, secretários estaduais e municipais, ordenadores de despesas e dirigentes de autarquias, fundações, empresas públicas ou sociedades de economia mista.

4.     TRIBUNAIS DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS (TCM)
Existem apenas em quatro estados (Bahia, Ceará, Goiás e Pará) e em dois municípios específicos (Rio de Janeiro e São Paulo). Analisam e julgam anualmente as contas das prefeituras.

5.     MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL (MPE) E MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (MPF)
Os promotores de justiça, integrantes do ministério público, defendem os interesses da sociedade, portanto também recebem e investigam denúncias de desvios de dinheiro público e denunciam os envolvidos á justiça pra o julgamento e a punição. A diferença entre os dois é o âmbito de atuação: O MDF atua nos casos que envolvem recursos federais e o MPE, quando os recursos forem estaduais.

6.     CÂMARAS DE VEREADORES E ASSEMBLÉIAS LEGISLATIVAS.
Fiscalizam as prefeituras e os governos estaduais, recebem e apuram denúncias e podem até afastar administradores envolvidos em corrupção (prefeitos, governadores, secretários, etc.)

7.     PODER JUDICIÁRIO (JUIZES E TRIBUNAIS DE JUSTIÇA)
São eles que dão a última palavra: decidem quem vai ou não para a cadeira, quem perde ou não o mandato, etc. Mas eles só podem agir se forem acionados por alguém, pelo promotor de justiça, por exemplo, ou por qualquer pessoa, mas neste caso precisa ser assistida por um advogado.

Menção Honrosa ao Conselheiro Tutelar
Edson Aguiar



NOSSOS FILHOS NÃO SÃO MAIS OS MESMOS. E AGORA?

Antigamente, droga era considerada “coisa de marginal“, do filho do vizinho. Era muito raro descobrir que o filho do vizinho, que cresceu junto com o nosso filho, freqüentou nossa casa, se tornou “um drogado“. Quando os pais percebiam que o filho estava andando com más companhias, tratavam de cortar a amizade, com o objetivo de evitar a “má influência”. Esse “antigamente“ de que falamos é algo de poucos anos atrás. Sim, porque é fato que muitos jovens usaram, usam e usarão drogas, ao menos por um período, a título de experimentação. Mas, hoje infelizmente, os jovens experimentam vários tipos de drogas, cada vez mais cedo e numa intensidade assustadora. E onde está o erro ? Nos pais, que não souberam educar? Na Internet, que ensina tanta “coisa errada“. Nas amizades perigosas? Na falta de referenciais e valores da nossa sociedade? Pode ser que nenhum destes motivos baste para explicar isso. Habitualmente vemos jovens de famílias estruturadas e com pais dotados de capacidade para educar de modo adequado seus filhos e que, mesmo assim, podem se deparar com uma ou outra substância e “perderem o passo” com elas. O que aconteceu? Prenderam demais? Soltaram demais? Nem sempre se consegue explicar.
Em geral, a primeira reação dos pais é de espanto. E do espanto brotam as atitudes extremadas, na ânsia de corrigir um erro que pensam ter cometido: surra, castigos, retaliações, internações em clínicas especializadas. O que poderia ser, em alguns casos apenas um uso experimental fica rotulado para sempre como “dependência química“ e esse tal menino, agora rotulado “dependente“ vai carregar para sempre esse “emblema“, que trará conseqüências danosas ao longo de sua vida, pois existem alternativas de tratamento que podem ser tão ou mais eficazes quanto uma internação. Como diz o ditado, “onde há fumaça, há fogo“ e, quando o assunto é droga, isso pode ser verdade. Na maioria das vezes, antes mesmo da “grande descoberta, ao achar um cigarro de maconha, ou um cachimbo de crack escondidos, os jovens já dão sinais de mudanças que, ou passam desapercebidos, ou são inconscientemente ignorados pelos pais, muitas vezes pelo medo da verdade. Mudança de comportamento, alterações de sono, comportamento estranhos, irritabilidade. Muitas vezes esses sinais são ingenuamente interpretados como crises típicas da adolescência e na verdade, por trás dessas mudanças, podem estar ocultos o uso de drogas e patologias psiquiátricas. Quando os pais percebem mudanças no comportamento dos filhos, ´[e errado começar pela “inspeção“, fuçando nas coisas ou fazendo teste de droga sem o conhecimento deles. O ideal é tentar, primeiro, uma conversa amigável e oferecer a possibilidade de algum tipo de aconselhamento com profissional capacitado. Frente à rebeldia e à atitude de negação por parte dos jovens. Recomendamos que os pais busquem orientação com profissional capacitado. Grupos de apoio aos pais fazem com que eles aprendam a lidar melhor com o problema e, conseqüentemente, acabam conseguindo conduzir o jovem ao tratamento.

Jornal A tribuna de Santos